Mais de 40% dos jovens com diploma ocupam funções incompatíveis com sua escolaridade

A parcela da população com ensino superior no mercado de trabalho continua aumentando, aponta estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Esses profissionais, aliás, foram os menos afetados pela crise econômica, iniciada em 2014.

Porém, o levantamento A evolução da população ocupada com nível superior no mercado de trabalho também alerta que 44,2% dos jovens de 24 a 35 anos com diploma superior ocupam funções incompatíveis com sua especialização. Em 2014, esse índice era de 38%.

Uma das autoras do documento, a pesquisadora Maria Andreia Lameiras, afirma que esse cenário não é novo. “Com a crise e a população mais escolarizada, as pessoas acabaram aceitando um emprego abaixo da sua qualificação com medo do desemprego”.

Mercado de trabalho

Os profissionais subocupados – que trabalham menos de 40h semanais, mas  gostariam de ter mais horas – atingiram 7 milhões no trimestre de agosto a outubro, o que representa um aumento de 10,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em relação à criação de empregos, 790 mil novos trabalhos com carteira assinada foram registrados de janeiro a outubro de 2018, de acordo com os dados mais recentes do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho, o que indica uma lenta queda no desemprego.

Dos setores, o de serviços foi responsável por 88% de todas as vagas criadas. A indústria cível também teve bom desempenho, gerando quase 71 mil vagas no mesmo período.  Atualmente o Brasil possui 11,7% da população desempregada.jovens com diploma no mercado de trabalho

Atualmente o Brasil possui 11,7% da população desempregada (foto: Shutterstock)

Autor: RES

Editora Global Partners

Compartilhar:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

DESTAQUES

Bilionário indiano faz postagem reconhecendo o trabalho invisível das mulheres e viraliza
Tempos sem precedentes exigem uma liderança sem precedentes
Digitalização impulsiona a nova cara do envolvimento
Felicidade