Tempos sem precedentes exigem uma liderança sem precedentes

O que é necessário para construir e liderar virtualmente uma organização ágil e resiliente.

“Existem muitos ângulos para esta crise que não têm precedentes. Nunca encontramos nada parecido nos tempos modernos, e os paradigmas tradicionais de liderança não podem preencher esse vazio. ”

Líderes em todo o mundo – nos setores empresarial, governamental e sem fins lucrativos – estão lutando para liderar a crise do momento enquanto preparam suas organizações para o futuro incerto.

O que é necessário para atravessar a névoa de uma pandemia e emergir em uma posição de força? De acordo com a professora Linda Hill da Harvard Business School (HBS), não se trata de assumir o comando e assumir tudo sobre si mesmo. Em vez disso, trata-se de construir uma organização ágil.

Liderando com Agilidade

7 lições de liderança ágil

Ao navegar nesta crise, o Dr. Suri e seus colegas aprenderam que estes são tempos realmente sem precedentes, que exigem uma liderança sem precedentes. Embora eles não afirmem ter todas as respostas, acreditamos que as lições que aprenderam sobre como lidar com o hoje enquanto se preparam para o amanhã são relevantes para líderes de saúde em particular e líderes em geral.

A ambição de todas as equipes de liderança deve ser construir uma organização ágil e resiliente. Ninguém sabe o que o futuro reserva, mas o mundo não vai voltar aos 19 dias anteriores à Covid. Para alcançar seu propósito e visão de longo prazo, as organizações terão que repensar o que estão fazendo e como estão fazendo.

  1. Prepare-se
    excessivamente e considere tudo uma hipótese de trabalho Os líderes
    devem estar dispostos a ser criticados por prepararem-se
    excessivamente. Eles devem imaginar o pior cenário possível e se
    preparar de forma a permitir que suas organizações tenham o maior
    impacto. Não fazer isso arrisca a vida e o sustento das pessoas. Os
    líderes precisam se preocupar com o fluxo de caixa, mas podem ter que jogar fora seus planos de negócios e metas orçamentárias.
  1. Prepare o terreno para que as pessoas trabalhem em coordenação e com velocidade
    Os líderes devem fornecer clareza de propósito e capacitar suas
    organizações para se engajarem na solução inovadora de problemas. Os líderes não podem saber minuto a minuto o que seu pessoal está
    fazendo, mas as decisões minuto a minuto são extremamente
    importantes. Os líderes devem confiar que seu pessoal fará a coisa certa e permitir que a liderança nascente esteja à altura do desafio.
  2. Aja e aprenda da maneira mais rápida e ponderada possível.
    Não é hora para liderança de comando e controle. Líderes e organizações não podem planejar sua saída do nevoeiro. Para agir à sua maneira, os líderes devem esclarecer os direitos de tomada de decisão e comunicação, encorajar suas organizações a serem orientadas por dados e pivotar quando necessário. Os líderes devem criar espaços nos quais diversas perspectivas sejam ouvidas e a franqueza seja incentivada.
  3. Alavancar o ecossistema
    Esta é uma crise sistêmica e requer uma resposta sistêmica. O sucesso
    da organização depende do sucesso do membro mais fraco de seu
    ecossistema. Os líderes devem envolver proativamente seus clientes,
    fornecedores, reguladores, organizações comunitárias e até mesmo seus “concorrentes tradicionais”. Eles devem encorajar a comunicação
    frequente e bidirecional, a transparência de dados e, conforme
    apropriado, coordenar esforços e oferecer assistência.
  4. Proteja o bem-estar físico e mental
    Esta é uma maratona, não um sprint. Todos estão aprendendo a
    trabalhar de maneira diferente nessas condições extremas, e o fardo
    emocional da liderança pode ser insuportável. Os líderes devem estar
    atentos ao esgotamento de suas forças de trabalho e a si próprios. Devem ser um modelo de comportamento que esperam de seu pessoal, cuidando de sua saúde e buscando apoio emocional.
  5. Construir relacionamentos de confiança em ambientes virtuais
    Os líderes devem estar cientes de como os outros os percebem e como
    os outros se percebem quando se conectam com eles em plataformas
    virtuais. Pequenos sinais não verbais, como um sorriso genuíno ou um
    aceno de cabeça, são ferramentas poderosas em uma vídeo chamada. Os líderes precisam experimentar sua própria linguagem corporal, talvez até receber treinamento e ser intencionais em sua comunicação. Eles também devem estar atentos e responder à
    “linguagem corporal virtual” dos outros.
  6. Reimagine os negócios
    Por meio dessa crise, os líderes estão aprendendo sobre a cultura, as
    capacidades e a liderança de suas organizações. Agora é a hora de os
    líderes abordarem as limitações e estabelecerem planos para
    desenvolver agilidade, resiliência e a próxima geração de liderança
    necessária para ter sucesso no futuro. Novos modelos de negócios serão necessários. Os líderes devem desenvolver métricas adequadas para ajudar suas organizações a medir o progresso nesse ínterim e manter o foco em sua visão de longo prazo.

A professora Linda Hill da HBS e a pesquisadora associada Emily Tedards
prepararam este artigo em colaboração com:

HBS IT Multimedia Team
Ruth Page, diretora de desenvolvimento de multimídia
Dave Habeeb, produtor sênior de multimídia
Ivan Audouin, engenheira sênior de multimídia
Katie Leone, designer sênior de interface do usuário e designer de instruções

HBS Leadership Iniciativa
Karina Grazina

Editora Global Partners

Compartilhar:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

DESTAQUES

Bilionário indiano faz postagem reconhecendo o trabalho invisível das mulheres e viraliza
Tempos sem precedentes exigem uma liderança sem precedentes
Digitalização impulsiona a nova cara do envolvimento
Felicidade